Erroneamente associado ao diabo do Cristianismo, no Candomblé ele é o mensageiro, o transportador do axé. E, neste sábado (28/03), o Centro de Cultura Afrobrasileira Asé Ylê do Hozoouane celebra em sua roça de Candomblé o mais controverso dos orixás: Exu.

Segundo o site Pare de sofrer Agora, Exu contém em si todas as contradições e conflitos inerentes ao ser humano. Exu não é totalmente bom nem totalmente mau, assim como o homem: um ser capaz de amar e odiar, unir e separar, promover a paz e a guerra. É o orixá que entende o princípio da reciprocidade.

Orixá da comunicação e dos mercados, é lembrado por comerciantes que querem vender bem. As vendedoras de acarajé, por exemplo, oferecem sempre o primeiro bolinho a Exu, atirando-o à rua, não só para vender bem, mas também par afastar as perturbações, evitar assaltos etc.