1/ Para se falar de maçonaria, tem que se saber minimamente do que se fala. Ou seja, tem que se ler muito acerca da maçonaria, da sua história e das suas origens. E depois, e talvez o mais importante, temos que ter acesso testemunhal (embora privado e secreto) a maçons relapsos ou refractários. Não é qualquer idiota que pode escrever acerca da maçonaria.

2/ Este verbete começa por cometer o erro de confundir a tradição maçónica na Europa continental, por um lado, com a tradição maçónica nos Estados Unidos, por outro lado. Mas não só: comete um segundo erro ao afirmar que, nos Estados Unidos, a tradição e a regra católicas são diferentes daquelas emanadas do Vaticano.

3/ A ideia que grassa por aí, segundo a qual “a maçonaria não é religião”, não é evidente e clara: a maçonaria possui: templos; altares; código moral; rituais de adoração; vestimentas e apetrechos para os ritos; dias festivos; hierarquia; rituais de iniciação; rituais fúnebres; promessas de eterna recompensa e/ou punição.

Por amor de Deus, não venham com essa treta de que “a maçonaria não é uma religião”! Pode, a maioria das pessoas, não saber o conteúdo da religião maçónica — porque se trata de uma religião secreta, gnóstica e elitista, ao contrário do catolicismo que é uma religião pública ou aberta ao povo —, mas que tem a forma de religião, não tenhamos dúvidas.

Por isso, um católico que pertença à maçonaria não é um católico propriamente dito — porque se trata de uma contradição em termos. Seria a mesma coisa que alguém dissesse que um católico pode ser, simultaneamente, hindu ou muçulmano. Só um idiota defenderia tal tese.

maçonaria olho4/ Apesar do novo Direito Canónico de 1983 ter revogado a excomunhão de supostos católicos que frequentem lojas maçónicas, continua a proibir os sacramentos a esses “católicos” — independentemente de as lojas frequentadas serem “boas” ou “más”, “simpáticas” ou “antipáticas”, ou contra a Igreja Católica.

5/ A putativa condição de “crença num Deus monoteísta” para se pertencer a uma loja maçónica não se verifica na maçonaria europeia continental, em geral — e por isso é que o texto do escriba é falacioso. Compram-se uns livros ideologicamente formatados, lêem-se umas coisinhas na Internet, na Wikipédia ou nos jornais, e depois escrevem-se enormidades.

Nenhum maçon, com um grau superior a 5, chega a esse patamar da hierarquia maçónica acreditando no “Deus monoteísta”. O Deus monoteísta, pelo menos o Deus católico, não é o Demiurgo.

6/ Pelo texto do escriba, verificamos objectivamente a dificuldade em definir a maçonaria.

Não existe uma noção pública de Maçonaria. Não existe sequer uma noção do que representam os símbolos dos rituais maçónicos: alegadamente, “os símbolos rituais podem ser isto, podem ser aquilo, aqueloutro, e ainda, à vontade do freguês”. O ritual maçónico parece ser um conceito muito alargado.

¿ Será que as pessoas, ditas “inteligentes”, não se dão conta do problema subjacente ao secretismo maçónico implícito neste largo conceito de propósito dos rituais maçónicos? ¿ será que algumas pessoas pensam ?

7/ É claro que a maçonaria possui um conteúdo dogmático e normativo, que passa, em primeiro lugar e nos iniciados e graus mais baixos da hierarquia maçónica, pela aceitação de uma pretensa e ilusória autonomia do aventaleiro iniciado. “Com papas e bolos, se enganam os tolos”.

A putativa “autonomia” do iniciado faz parte da norma maçónica, pelo menos até até ao 3º grau; e essa norma maçónica é, em si mesma, dogmática, porque é um preconceito negativo que, por isso, não pode ser questionado.

A putativa “equidistância” da maçonaria em relação a “todas as religiões” escora-se na necessidade maçónica de proselitismo de base, no seio das elites da sociedade — embora as elites da maçonaria não sejam, de todo, “equidistantes de todas as religiões” — porque a maçonaria é, ela própria, uma religião.

Não é possível a neutralidade entre a não-neutralidade e a neutralidade. Essa “neutralidade maçónica” é apenas aparente e enganadora. A maçonaria é uma religião muito perigosa, também por outros motivos que não cabem aqui e agora.