Um negócio com o Diabopacto com o Diabo ou uma Barganha Faustiana, é um motivo cultural, melhor exemplificado através da lenda de Fausto e da figura de Mefistófeles, mas elementar para muitos contos Cristãos. No catálogo tipológico de Aarne-Thompson, consta sob a categoria AT 756B – “O contrato do Diabo”. De acordo com tradicional crença Cristã em bruxaria, o pacto é entre a pessoa e Satã ou um demônio. A pessoa oferece a própria alma em troca de favores diabólicos. Estes favores mudam com o conto, mas normalmente incluem juventude, conhecimento, riqueza ou poder.

Também se acredita que algumas pessoas realizaram este tipo de pacto somente como um sinal para mostrar que possuem o Diabo como mestre, em troca de nada. A barganha é considerada perigosa, já que o preço cobrado pelo espírito maligno é a própria alma. O conto pode ter um final moralizante, com a danação eterna do empreendedor temerário. Reciprocamente, pode ter um final cômico, no qual um aldeão astuto engana o Diabo, normalmente em algum detalhe técnico. Qualquer realização aparamentemente sobre-humana pode ser creditada a um pacto com o Demônio, das numerosas “Pontes do Diabo” na Europa à virtuosidade de Niccolò Paganini. A muitas pessoas que fazem o pacto com Lúcifer porém o Deus da rebeldia para que o próprio Lúcifer use o seu corpo como instrumento e assim poderá ter os bens que o indivíduo precisa como riqueza, fama etc.Que assim na terra o indivíduo aproveita com os seus bens e depois a sua morte ele/ela vai trabalhar para o Lúcifer obedecer tudo que o Lúcifer ordenar porém vai ser castigado por próprio Lúcifer. Este caminho é a salvação para quem tem pacto ou quem planeja fazer pacto com o Lúcifer é o único caminho da vitória.