Usando uma faca, o sacerdote abre a garganta do animal.

Bode, Animal Sagrado

Na sequência, degola o bicho, que ainda se debate. Algumas partes específicas, como o coração e os genitais, são colocadas sobre um alguidar – uma bacia de barro. Esses pedaços serão oferecidos para o orixá que vai “comer”. O sangue é recolhido e utilizado para sacramentar imagens e instrumentos utilizados no terreiro. Todo o restante do corpo é aproveitado. O couro será usado para fazer atabaques. A carne vira churrasco: os terreiros fazem grandes almoços para os filhos de santo e os visitantes. A pergunta é: precisa mesmo? Ainda faz sentido, no século 21, assassinar animais em nome da fé?

“Óbvio que faz sentido,“O sacrifício se constitui em um momento de congregação entre deuses e homens. Merece, por isso, respeito e compreensão.” As religiões de matriz africana, incluindo o candomblé, mas também o xangô pernambucano, o batuque gaúcho ou a santería cubana, dão grande importância para o sacrifício de animais. Já a umbanda, no conceito de seu fundador, Zélio Fernandino de Moraes, não mata bichos. Mas existem muitos terreiros que, influenciados por outras religiões de origem africana, oferecem galinhas ou bodes para fortalecer entidades, em especial exus e pombagiras.

Este é um culto existente a milênios na terra e deve ser continuado para que mantenha-se a cultura dos ancestrais daqueles povos africanos.