Quando a Bíblia foi escrita?

 
A Bíblia é um livro excepcional. Mais de 3 bilhões de pessoas a encaram como sagrada. É considerada o livro mais vendido de todos os tempos, com cerca de 6 bilhões de exemplares impressos (inteiro ou em parte) em mais de 2.400 idiomas.

EMBORA a Bíblia seja o livro mais amplamente lido da História, há muitas teorias sobre quando ela foi escrita, em especial as Escrituras Hebraicas, muitas vezes chamadas de Velho Testamento. Talvez você já tenha lido algumas dessas teorias em revistas e livros, ou tenha ouvido eruditos falarem sobre isso em documentários na televisão. Veja as seguintes declarações que destacam alguns conceitos atuais.

▪ “A maior parte dos livros da Bíblia foi escrita do oitavo ao sexto século AEC, ou entre os dias dos profetas Isaías e Jeremias.”

▪ “Nos últimos duzentos anos, os eruditos bíblicos em geral concluíram que as Escrituras Hebraicas foram escritas e impressas principalmente nos períodos persa e helenístico (do quinto ao segundo século AEC).”

▪ “Todos os textos das Escrituras Hebraicas em sua forma atual na verdade datam da era helenística (no máximo, do segundo ou primeiro século [AEC]).”

Como um cristão que acredita que “toda a Escritura é inspirada por Deus” deve encarar esses conceitos conflitantes? (2 Timóteo 3:16) Para saber a resposta, vamos considerar os dois lados da questão.

A cronologia da própria Bíblia

As Escrituras Hebraicas contêm várias referências cronológicas. Elas indicam que os primeiros livros foram escritos na época de Moisés e Josué, uns 3.500 anos atrás.* Samuel, Davi, Salomão e outros acrescentaram seus escritos durante o século 11 AEC. Seguiram-se livros históricos, poéticos e proféticos, que datam do nono ao quinto século AEC.

Há cópias ou fragmentos desses livros bíblicos entre os Rolos do Mar Morto, com exceção do livro de Ester. A datação por carbono 14 (carbono radioativo) e da paleografia (estudo das antigas formas de escrita) confirma que os mais antigos desses rolos datam de cerca de 200 AEC.

O que dizem os críticos

Um dos grandes motivos de alguns questionarem a cronologia da Bíblia é o fato de ela afirmar ter sido inspirada por Deus. Sobre isso, em seu livro The Old Testament Documents (Documentos do Velho Testamento), o professor universitário Walter C. Kaiser Jr. escreveu que, para alguns, “o texto [da Bíblia] peca por afirmar ser de autoria divina e por falar em milagres e em Deus”. Certos eruditos que não são religiosos dizem que a Bíblia deve ser examinada com olhos críticos, como qualquer outro livro.

Houve uma época em que a teoria evolucionista de Darwin foi usada para explicar que as religiões evoluíram de simples para complexas, do animismo para o politeísmo, culminando no monoteísmo. Visto que os primeiros livros da Bíblia descrevem uma adoração monoteísta, alguns concluem que eles foram escritos bem mais tarde do que se pensava.

Daí em diante, a crítica bíblica assumiu várias formas. Por exemplo, um dicionário do Velho Testamento publicado recentemente contém artigos detalhados sobre crítica da forma, crítica literária, crítica do Pentateuco, crítica das fontes e crítica histórica e tradicional.

Embora os eruditos tenham opiniões diferentes quanto à datação dos livros da Bíblia, muitos são a favor da teoria proposta pelo professor universitário R. E. Friedman. Ele escreveu: “Os escritores antigos produziram documentos de poesia, prosa e leis durante muitas centenas de anos. Depois, os editores usaram esses documentos como fontes. Esses editores usaram tais fontes para compilar a Bíblia.”

O livro Faith, Tradition, and History (Fé, Tradição e História) aborda esses e outros pontos de vista críticos da Bíblia. Mas em resumo comenta: “Apesar de os eruditos estarem unidos na sua falta de confiança nas Escrituras e de confiarem extremamente em suas próprias teorias, eles são bastante críticos dos conceitos uns dos outros.”

Em defesa da cronologia bíblica

Os primeiros livros da Bíblia foram escritos em material perecível. Assim, não é realístico esperar que os escritos originais ou cópias antigas da época de Moisés, Josué, Samuel ou Davi sejam encontrados algum dia. No entanto, é possível estudar evidências históricas indiretas que mostram que é razoável aceitar as datas que a Bíblia indica. Vários eruditos e arqueólogos conceituados fazem isso. Que informações obtemos dessas evidências? Veja alguns exemplos.

▪ Será que já havia literatura escrita uns 3.500 anos atrás no Oriente Médio antigo, na época em que, segundo a Bíblia, Moisés e Josué viveram? Na Mesopotâmia e no Egito antigos produziram-se textos históricos, religiosos, jurídicos e literários. Que dizer dos textos que Moisés e outros israelitas escreveram? O Dictionary of the Old Testament: Pentateuch (Dicionário do Velho Testamento: Pentateuco) responde: “Não há motivos para duvidar da existência de material escrito na terra de Canaã do fim da Idade do Bronze [cerca de 1550 a 1200 AEC].” E acrescenta: “Do ponto de vista das práticas antigas de escrita, não há razão para se pensar que os textos atribuídos a Moisés não tenham sido escritos por ele, nem que boa parte dos outros textos não tenham sido escritos na época indicada.” — Êxodo 17:14; 24:4; 34:27, 28; Números 33:2; Deuteronômio 31:24.

▪ Os escritores bíblicos usaram fontes antigas como referências? Sim. Alguns mencionam ‘livros’, que podem ter sido documentos oficiais, registros genealógicos, obras históricas e documentos tribais e familiares. — Números 21:14; Josué 10:13; 2 Samuel 1:18; 1 Reis 11:41; 2 Crônicas 32:32.

▪ Por que não foram encontrados documentos bíblicos mais antigos do que os Rolos do Mar Morto? A revista Biblical Archaeology Review explica: “Na maior parte da Palestina, os documentos em papiro e couro não sobreviveram, exceto os de regiões muito áridas como a que fica em volta do mar Morto. Esses materiais apodrecem em solo úmido. Assim, o fato de eles não terem sido achados não significa que não existiram.” Na verdade, encontraram-se centenas de sinetes de argila que eram usados para selar documentos. Os documentos em papiro e couro foram arruinados pelo fogo ou solo úmido, mas os sinetes sobreviveram. Esses sinetes datam aproximadamente do nono ao quinto século AEC.

▪ Como os manuscritos da Bíblia foram preservados? O livro The Bible as It Was (A Bíblia como Ela Era) argumenta: “As histórias, os salmos, as leis e as profecias que chegaram a nós como parte da Bíblia devem ter sido copiados muitas e muitas vezes até mesmo dentro do próprio período bíblico. . . . Se esses textos foram copiados diversas vezes dentro do próprio período bíblico, foi porque eram usados; tiveram certa relevância no dia a dia. . . . Ninguém se daria ao trabalho de copiar textos sem nenhum objetivo.” — Deuteronômio 17:18; Provérbios 25:1.

No caso dos primeiros livros bíblicos, isso envolveu fazer cópias ao longo de 1.500 anos até o primeiro século EC. Esse processo de produzir cópias exatas incluía “a atualização das formas gramaticais e da ortografia, um processo padrão no Oriente Médio antigo”, diz o livro On the Reliability of the Old Testament (A Confiabilidade do Velho Testamento).* Isso põe em dúvida a credibilidade das críticas baseadas nas formas e estilos do texto escrito.

Quando a Bíblia foi escrita?

Será que é lógico insistir que a ausência de manuscritos datados da época de Moisés, Josué, Samuel e outros é uma prova de que os livros da Bíblia não foram escritos tão cedo na história como se afirma? Muitos eruditos concordam que a falta desses manuscritos não significa que eles não tenham existido. Falando de modo realístico, quantos documentos escritos em material perecível poderiam ter sido preservados? Por exemplo, o egiptólogo K. A. Kitchen estima que quase todos os papiros egípcios escritos antes da época greco-romana pereceram.

As pessoas que respeitam a Bíblia talvez se perguntem: ‘Como Jesus encarava as Escrituras Hebraicas?’ Naquele tempo, a questão da datação não era controversial. Jesus, assim como os judeus em geral, com certeza aceitava as informações cronológicas das Escrituras. Mas será que ele aceitava a autoria dos primeiros livros bíblicos?

Jesus se referiu aos escritos de Moisés. Por exemplo, ele mencionou o “livro de Moisés”. (Marcos 12:26; João 5:46) Ele fez referência aos relatos de Gênesis (Mateus 19:4, 5; 24:37-39); Êxodo (Lucas 20:37); Levítico (Mateus 8:4); Números (Mateus 12:5) e Deuteronômio (Mateus 18:16). Ele disse: “Todas as coisas escritas na lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos, a respeito de mim, têm de se cumprir.” (Lucas 24:44) Se Jesus reconhecia a autoria de Moisés e de outros, sem dúvida ele aceitava a exatidão das informações cronológicas das Escrituras Hebraicas.

Então, quando a Bíblia foi escrita? Podemos confiar na cronologia da própria Bíblia? Neste artigo, consideramos o ponto de vista crítico de muitos eruditos, bem como informações da própria Bíblia, evidências históricas indiretas e o ponto de vista de Jesus. Com base nisso, será que sua resposta mostrará que você concorda com Jesus quando ele disse em oração a seu Pai, Jeová Deus: “A tua palavra é a verdade”? — João 17:17.