Exú faz a guarda e distribui bençãos de fertilidade, fartura, proteção astral, prosperidade e boa sorte nos negócios.

Se bem tratado e agradado como se deve sabe retribuir as oferendas em dobro, mas, quando Exú é esquecido, torna-se o pior dos inimigos, fechando os caminhos e trazendo má sorte a quem se esquece dele.

Confundido com o diabo pelo exotismo de seu culto que em alguns terreiros, que chega a parecer um verdadeiro espetáculo para impressionar a assistência.

Na África na época das colonizações, foi sincretizado erroneamente com o diabo cristão pelos colonizadores, devido ao seu estilo irreverente, brincalhão e a forma como é representado no culto africano, um falo humano ereto, simbolizando a fertilidade e sexualidade.

Mas Exú não tem nada a ver com o diabo. Ele não cabe nestes padrões pois pertence a Umbanda que é outra religião.

O Exú Orixá não incorpora em ninguém para dar consultas, eles são assentados na entrada das casas de candomblé como guardiões, e em toda casa de candomblé tem um quarto para Exú, sempre separado dos outros orixás, onde ficam todos os assentamentos dos exús da casa e dos filhos de santo.