Geralmente consideramos algumas pessoas amigas, outras conhecidas, outras apenas colegas de trabalho e outras pessoas consideramos inimigos pessoais. Gente que declaradamente, ou não, torce contra nós, que tenta nos prejudicar, que está sempre apontando o dedão em nossa direção, recebem o carimbo de “inimigo”, mas será tão simples assim? Não é.

Quem são nossos verdadeiros inimigos? Você disse: o diabo? Bom, o diabo é inimigo de nosso Deus, com quem tentou disputar o trono, mas a verdade é que ele nos odeia não por causa de nossos belos olhos, mas por QUEM nós somos: discípulos de Jesus, filhos de Deus. Não é nada pessoal, é geral, irrestrito, amplo, é contra tudo o que vem de Deus e é por isso que ele tenta de tudo para roubar nossa comunhão com Deus e, se possível, até nossa salvação.

Os vizinhos “fura olho”? Que nada! Eles são apenas instrumentos da guerra espiritual que o diabo e seus demônios travam contra nossas vidas. Por mais invejoso que seja o vizinho (e muitos entraram três vezes na “fila” da inveja), nenhum deles pode ser considerado um inimigo de verdade, afinal nossa missão é pregar o Evangelho a toda criatura e amar a todos os homens sem distinção.

Será que nossos inimigos são nossos colegas de trabalho? Aquele cidadão que está sempre puxando o “tapete” de todo mundo? Não, eles não chegam aos pés de nosso verdadeiro inimigo. Afinal, quem é o nosso maior inimigo? O maior inimigo do homem é sua própria carne, que é aquele “inimigo íntimo”, aquele que nos puxa para baixo, que só gosta do que não presta, que faz de tudo para nos afastar do principal: nossa vida com Deus.

As obras da carne estão listadas no texto bíblico que diz: “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus.” (Gálatas 5:19-21). Já deu pra perceber que esta “listinha negra” é o homem em estado bruto, sem Deus.

A carne é a única coisinha que pode nos afastar de Deus, da comunhão com o Amado Espírito Santo, da presença de Jesus em nossa vida. O pecado é um labirinto de emoções, de inversão da verdade, de desculpas esfarrapadas, de justificativas injustificáveis, do engano de um coração misturado com o engano de outro coração. Só existe um caminho para pecar: praticar as obras da carne, mesmo que apenas “socialmente”.

Se você é de Deus não vai pecar só para agradar seu chefe, ou para conquistar um cargo público, ou porque é bonito ser feio. O pecado é sinônimo de separação de Deus, não se pode brincar com isso e não dá para dar uma “curtida” de leve, sem comprometer o texto de sua vida. Não é atoa que a Bíblia mostra um “antídoto” para as obras da carne e faz isso usando um único “tiro certeiro”: o fruto do Espírito.
Se você reconhece sua carne como sua maior inimiga, vai precisar de ajuda para vencê-la, porque para ser livre verdadeiramente, só existe um jeito e é reconhecendo Jesus como Salvador, porque o Espírito de Deus passará a habitar seu coração e você nunca mais estará lutando sozinho e vai vivenciar o texto que diz: “Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos.” (Gálatas 5:24).